Peter Pan & Wendy
Peter and Wendy
J. M. Barrie, 1910

Todo mundo, ao menos uma vez, já sonhou em ser eternamente criança. Na prática, não é tão simples assim, quando você tem que conviver com piratas, índios e feras te perseguindo, e muitas vezes o jantar é apenas faz-de-conta. Wendy e seus irmãos sentem isso na pele, quando Peter Pan os leva para a Terra do Nunca, lar dos Garotos Perdidos, Tinker Bell e Capitão Hook. Obra-prima de J.M. Barrie, adaptada pela Disney em 1953, nos apresenta um universo que ainda hoje inspira crianças e adultos. Mais um clássico que agora está livre e gratuito para todos.

Conheça a obra:

A literatura infantil se divide entre antes e depois do personagem Peter Pan. Ele sintetiza e realiza o sonho que todos nós, em algum momento da vida, já acalentamos. Viver em um mundo mágico, onde o tempo não passa e as aventuras e brincadeiras nunca terminam.

“Todas as crianças crescem, menos uma” — Peter Pan, o garoto mágico que cada um traz um pouco dentro de si, vem buscar Wendy e seus irmãos para a maior aventura de suas vidas. Vão para a Terra do Nunca, um lugar que existe na imaginação de toda criança: índios, piratas, sereias, feras e fadas, tudo é diversão e perigo ao mesmo tempo. A obra-prima de um autor que não criou um livro, mas um vasto universo que continua a ser explorado.

Tempo de leitura: 4 horas

Título original: Peter and Wendy (1911)

Tradução: Gabriel Naldi

Ilustração: Andre Ducci

 

Sobre o autor:

A obra de J.M. Barrie, em muitos sentidos, foi um divisor de águas, e ele próprio foi uma síntese de sua época. A Inglaterra no começo do século XX, pós revolução industrial e pré 1º guerra, parecia próspera, renovada e livre. Livre das doenças e crises econômicas que a haviam assolado no passado, e renovada com os avanços de tecnologia, ciência e medicina. Com isso tudo, a mortalidade infantil já não era algo tão corriqueiro como nos séculos anteriores, o que causou uma alteração da percepção da infância e das crianças. Isso certamente alavanca o gênero literatura infantil. Barrie usa os traumas e perdas de sua vida para criar um personagem e universo que influenciaria toda a literatura do gênero desde então. Envolto em polêmicas pessoais, cria para si próprio um mundo onde não precisa enfrentar as responsabilidades e mazelas do mundo adulto. Um lugar onde se é eternamente criança, uma terra do nunca crescer.

 

Escrito por J.M. Barrie

Título original: Peter and Wendy

Data da publicação original: 1911

Tradução: Gabriel Naldi

Ilustração: Andre Ducci

Tempo de leitura: 7,5 horas

 

Leia um trecho:

Não sei se você já viu o mapa da mente de alguém. Os médicos às vezes desenham partes de uma pessoa, e ver o desenho do seu próprio corpo é muito interessante, mas tente fazer um médico desenhar o mapa da mente de uma criança e você vai ver como ele fica confuso, fazendo muitas voltas. Você vai ver muitas linhas em ziguezague, como se fosse seu gráfico de crescimento, e provavelmente essas linhas são as estradas da ilha, pois a Terra do Nunca é mais ou menos uma ilha, com lugares que parecem explodir de cores por todo lado, recifes de corais e barcos prontos para zarpar, com nativos e esconderijos secretos, gnomos que na maioria das vezes são alfaiates, rios que correm por dentro de cavernas, príncipes com seis irmãos mais velhos, uma cabana quase caindo aos pedaços, e uma velhinha baixinha de nariz pontudo. Se fosse só isso, seria fácil desenhar um mapa da ilha, mas ainda falta o primeiro dia de aula, o catecismo, os pais, o chafariz, aula de costura, assassinatos, enforcamentos, verbos transitivos indiretos, o dia do pudim de chocolate, como usar suspensórios, digamos noventa e nove xelins e três centavos para você arrancar seu próprio dente que está mole, e por aí vai, e tudo isso é parte da ilha ou faz parte de um outro mapa sobreposto, então é tudo muito confuso, ainda mais porque nada na ilha fica parado no mesmo lugar. Obviamente que as Terras do Nunca variam muito entre si. Na de John, por exemplo, havia flamingos voando sobre uma lagoa, que ele tentava caçar. Já na de Michael, que ainda era bem pequeno, havia um único flamingo, com lagoas voando por cima dele. John morava em um barco virado de cabeça para baixo, na areia, Michael morava em uma oca pontuda, e Wendy em uma casa de folhas, impecavelmente costuradas. John não tinha amigos, e os de Michael só vinham à noite e Wendy tinha um lobo que havia sido abandonado pelos pais. Em geral todas as Terras do Nunca são parecidas, e se você as colocasse lado a lado conseguiria ver a semelhança. Naquelas praias mágicas, as crianças brincam eternamente com seus barquinhos de vime. Nós também já estivemos lá, ainda podemos ouvir o som das ondas, mas nunca mais pisaremos naquelas praias.